Web Rádio

Wilt Chamberlain, mito do baquete, faria 78 anos se estivesse vivo; conheça um pouco de sua história.

23 AGO 2014
23 de Agosto de 2014

Wilt Chamberlain: Um gênio dos primórdios da NBA completaria 78 anos no último dia 21 de agosto. Confira um especial sobre a carreira do gigante, por Gabriel Farias. 

Vida Pré-NBA: 

Wilton Norman Chamberlain, ou apenas Wilt Chamberlain, nasceu no dia 21 de agosto de 1936, na cidade de Philadelphia, Pensilvânia.

Filho de uma família de classe média, Chamberlain não gostava de basquete no início de sua vida, mas foi criado perto do atletismo, treinando saltos e corridas tanto de curta quanto de longa distância. Porém, se rendeu ao Basquete quando entrou no ensino médio. Wilt media 2 metros e 11 centímetros aos 16 anos.

Com a larga diferença de altura comparando com seus colegas de sala, Wilt aceitou participar do time de basquete, e logo se tornou um grande pontuador e bloqueador. Durante seus três anos na escola, foram 2252 pontos, e média de 37,4 por partida.

O sucesso no colegial fez com que Chamberlain fosse cobiçado por mais de 200 universidades ao longo do território americano, e ele escolheu a Universidade de Kansas, que possuía um histórico de boas campanhas na época de seu recrutamento.

Na sua chegada em Kansas, Wilt não foi recebido com uma grande festa como estava acostumado em Philadelphia, por conta do racismo presente em seu novo estado. Pessoas negras eram proibidas de frequentar certos lugares das cidades de Kansas. Esse fato diminuiu graças à chegada do pivô no estado e a forma com que ele reagiu simpaticamente com a população.

Em sua estreia como jogador da faculdade, Chamberlain anotou 52 pontos e pegou 31 rebotes. Estes números deram a Wilt os recordes da faculdade em ambos os fundamentos.

Após temporada fantástica, Chamberlain carregou os Jayhawks até a final do NCAA (torneio entre faculdades dos EUA), contra a Universidade da Carolina do Norte, que mais tarde seria o time de Michael Jordan.

Na partida, o técnico de Carolina do Norte armou uma marcação especial para Chamberlain, com três atletas dedicados a limitar os movimentos do gigante. A tática funcionou, e após três prorrogações, o time venceu Kansas. Mesmo com a forte marcação recebida, Wilt Chamberlain marcou 23 pontos e pegou 14 rebotes.

Em 1958, Chamberlain chegava para sua segunda temporada em Kansas, mas a marcação na final da NCCA da temporada anterior era só o começo do final da carreira de Wilt na universidade.

Técnicos de diversos times repetiram a tática de Carolina do Norte, colocando três jogadores para marcar Chamberlain. Em algumas partidas, o gigante saiu com dentes quebrados e marcas de mordidas em seu braço. Mesmo assim, ele teve 30,1 pontos de média no campeonato, deixando o time no segundo lugar de sua conferência.

Harlem Globetrotters:

          Em busca de dinheiro, Chamberlain decidiu sair da Universidade de Kansas, mas a NBA não aceitava jogadores que não tivessem terminado a faculdade naquela época. A solução para este problema foi aceitar um convite para o Harlem Globetrotters, time criado em 1927 com o intuito de realizar jogos de exibição, permitindo que seus jogadores mostrassem toda a habilidade que tinham em brincadeiras durantes as partidas e intervalos.

Wilt excursionou com os Globetrotters em 1959 na União Soviética, em amistosos vendidos para a imprensa como uma mostra de boa relação entre a URSS e seu regime comunista e os Estados Unidos com o regime capitalista.

 

             Domínio na NBA e guerras contra Russell:

 

No ano de 1959, Chamberlain foi escolhido pelo Philadelphia Warriors, time de sua cidade natal, para estrear na NBA. Logo em seu primeiro contrato, Wilt se tornou o jogador mais bem pago da liga americana. Curiosamente, com a chegada de Wilt, os cinco titulares dos Warriors eram nascidos em Philadelphia (Tom Gola, Paul Arizin, Ernie Beck, Guy Rodgers e Chamberlain).

Na estreia pelos Warriors, Chamberlain anotou 43 pontos e pegou 28 rebotes contra o New York Knicks. Três partidas depois, Wilt enfrentou pela primeira vez o lendário Bill Russell. Nesta partida, Chamberlain marcou dois pontos a mais, mas os Celtics venceram o jogo.

As primeiras atuações de Chamberlain na NBA foram só uma pequena mostra do monstro que o pivô seria durante sua carreira. Ele foi o primeiro a vencer os prêmios de Novato do Ano (Rookie of the Year) e Jogador Mais Valioso (MVP), além de vencer o prêmio de melhor atleta do Jogo das Estrelas. Chamberlain quebrou 10 recordes da NBA em sua primeira temporada, como o de mais pontos anotados em um ano (2,102 pontos em 56 jogos).

Nos playoffs da temporada de calouro, Chamberlain reencontrou Bill Russell e os Celtics na final da conferência Leste. Nos primeiros dois jogos, Warriors e Celtics dividiram as vitórias, porém, no terceiro jogo, Wilt perdeu a cabeça e agrediu o ala-pivô Tom Heinsohn, que cometera inúmeras faltas em Chamberlain durante as três partidas, sob ordens do técnico de Boston, Red Auerbach.

Na agressão, Chamberlain contundiu a mão, o que limitou seus movimentos durante duas partidas, nas quais os Celtics dominaram e abriram vantagem.

No jogo cinco, Chamberlain voltou bem anotando 50 pontos em Bill Russell, mas os Warriors sucumbiram na partida de número 6 e foram eliminados.

Após a partida, Wilt cogitou se aposentar, por conta das marcações duplas, triplas e as duras faltas. Um aumento em seu salário solucionou o problema, e Chamberlain voltou ainda melhor, quebrando a barreira dos dois mil rebotes na temporada, alcançando o recorde de 55 em uma só partida.

Em sua terceira temporada, Chamberlain teve média de 50 pontos por partida, e 25 rebotes. No dia 2 de março de 1962, o pivô anotou 100 pontos contra o New York Knicks, time que enfrentou em sua estreia na NBA.  Wilt arremessou 63 vezes, acertando 36 delas. Além disso, somou mais 28 pontos em lances livres.

Boa parte da responsabilidade deste recorde deve ir para o restante do time dos Warriors, que deixaram Chamberlain decidir a maioria das bolas no segundo tempo.

Chamberlain terminou a temporada regular daquele ano com 4,029 pontos, além da marca de ter ficado apenas 8 minutos fora de quadra. Foram 3,882 minutos jogados em 3,890 possíveis.

Nos playoffs, Chamberlain e os Warriors foram eliminados pelos Celtics mais uma vez, com uma cesta de Sam Jones nos últimos dois segundos do sétimo jogo da série.

Após a mudança dos Warriors para San Francisco e uma péssima temporada coletiva em 62/63, Wilt Chamberlain encarava os Bill Russell pela terceira vez nos Playoffs, mas desta vez na final da NBA. (A franquia dos Warriors em San Francisco foi realocada para a conferência Oeste da NBA).

Mais uma vez, Russell e o “melhor time da história de Boston” venceram Wilt Chamberlain.

Na temporada seguinte, Chamberlain foi trocado com o Philadelphia 76ers, por conta de seu alto salário e a crise financeira dos Warriors.

Em sua primeira temporada pelos 76ers, Chamberlain reencontrou os Celtics, e novamente saiu derrotado da série.

Na temporada 65-66, Wilt alcançou seu segundo prêmio de MVP da temporada regular, mas os problemas de relacionamento com o técnico Dolph Schayes prejudicaram a harmonia do time, que foi batido novamente pelo Boston Celtics.

A contratação de Alex Hannum como novo técnico dos 76ers mudou o vestiário da equipe completamente. Alex confrontou Chamberlain no início do trabalho, ganhando sua confiança e mostrando para o duas vezes MVP que precisara fazer parte do time. Tal atitude levou os 76ers até os playoffs com uma temporada sensacional, e alavancou Wilt Chamberlain para seu terceiro título de MVP.

Nas finais da conferência Leste, os 76ers enfrentaram os Celtics, mas desta vez, Chamberlain e companhia conseguiram derrotar os multicampeões. Na final, o adversário seria o San Francisco Warriors, ex-time de Chamberlain.

Philadelphia sofreu, mas conseguiu vencer a série final por 4 a 2, com destaques para Chamberlain e seu companheiro Hal Greer. Após o primeiro título, Chamberlain nominou aquele time dos Sixers como o “melhor da história da NBA”.

Finalmente dono de um anel de campeão, Chamberlain teve novos problemas administrativos na temporada 67-68. Mesmo com o prêmio de jogador com mais assistências do ano, fato inédito para um pivô, Wilt perdeu sua sexta série para os Celtics, após um jogo completamente fora de seus padrões. Chamberlain anotou apenas 14 pontos no jogo sete daquela série, arremessando apenas nove vezes na partida.

Naquela final, os Celtics se tornaram a primeira equipe a reverter uma desvantagem de 3-1 em uma série de playoff.

Depois de mais um fracasso contra Bill Russell, Chamberlain pediu para ser trocado pelo 76ers para o Los Angeles Lakers.

         

             Casamento com os Lakers:

          Na chegada aos Lakers, Chamberlain faria um supertrio com Elgin Baylor e Jerry West. O último se tornaria o logo da NBA.

Durante a temporada, Wilt ficou no banco por muitos jogos, pela primeira vez na carreira. Quando entrou como titular, foi irregular, e não evitou mais um fracasso contra o Boston Celtics nas finais daquele ano. Jerry West se tornou o primeiro e único atleta a ser nomeado o MVP de uma série final mesmo perdendo o título.

Após uma temporada de lesões, Chamberlain viu os Lakers chegarem as finais mais uma vez, porém, mais uma derrota. Agora, os Knicks foram os algozes de Wilt, que foi seriamente criticado por não conseguir se manter em condições físicas adequadas durante a temporada.

Em forma, Chamberlain foi decisivo para a temporada 70-71 dos Lakers, com médias de 20 pontos e 18 rebotes por jogo. Aos 34 anos, ele enfrentou o jovem Lew Alcindor, mais conhecido por Kareem Abdul-Jabbar nas finais da conferência oeste. Junto ao veterano Oscar Robertson, Kareem e os Bucks venceram os Lakers de Chamberlain.

Para a próxima temporada, os Lakers contrataram Bill Sharman, ex-jogador do Celtics de Bill Russell como treinador, e a mudança fez efeito no jogo de Wilt Chamberlain. O pivô passou a se dedicar ao jogo defensivo, e fez valer o forte trabalho ajudando o time a conseguir 33 vitórias seguidas na temporada regular, recorde até hoje na NBA.

Nos playoffs, Chamberlain enfrentou novamente Kareem, e conseguiu vencer o então MVP da temporada regular. Nas finais, Os Lakers enfrentaram os Knicks mais uma vez, mas com um final bem diferente.

Com 24 pontos, 29 rebotes e 8 tocos no jogo 5 da série, Wilt Chamberlain foi nomeado o MVP das finais, e ganhou seu segundo anel de campeão da NBA, o primeiro dos Lakers em Los Angeles.

A temporada 72-73 da NBA foi a última de Chamberlain como profissional, onde ele conquistou seu 11º título de líder em rebotes da liga, e estabeleceu o recorde de melhor aproveitamento da história da NBA, com 72% de acertos.

 

            Morte:

 

Em 1999, Chamberlain foi encontrado morto em sua casa aos 63 anos, por conta de uma falha em seu coração, que já havia apresentado problemas em 1992.

 

            Números da Carreira:

 

Durante sua carreira na NBA, Chamberlain foi 2 vezes campeão, 4 vezes MVP, 13 vezes nomeado para o Jogo das Estrelas, Novato do Ano, Líder de Assistências, 11 vezes líder de rebotes, 7 vezes líder de pontos e maior reboteiro de todos os tempos da NBA.

Pontos – 31,419

Rebotes – 23,924

Assistências – 6,057

 

Voltar

Web Rádio Premium Esportes. O seu esporte no caminho do bem!